OOO novembro | 2015 | Cedasb

Cisternas nas Escolas – 3º Módulo em Educação Contextualizada em Vit. da Conquista BA

Aconteceu na Universidade Aberta Do Brasil (POLO UAB) em Vitória da Conquista-BA nos dias 26 e 27 de Novembro 2015, o III Módulo de oficinas em Educação Contextualizada realizado pelo PROJETO CISTERNAS NAS ESCOLAS, para professores e professoras da zona rural da rede pública municipal de Vitória da Conquista.

As oficinas tem por objetivos a construção da educação no contexto voltado à realidade do local, visando à convivência com o semiárido, as tecnologias sociais de implementação com um olhar no contexto da comunidade, abrangendo os elementos que caracterizam a realidade de cada comunidade escolar. Para os professores presentes, um dos grandes problemas que estamos enfrentando no momento é o fechamento das escolas rurais, fazendo com que jovens percam sua identidade local e cultural. As oficinas foram momentos de formação e traçar metas, dentro de uma proposta local, como foi proposto no II módulo com aulas de campo com o alunado (aula prática) todo material que os alunos desenvolveram foram apresentados neste III módulo. O projeto Cisternas nas Escolas é gestado pelo CEDASB/ASA e financiado pelo o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

12313891_1110908315600842_661146455518692354_n 12310511_1110908402267500_7881601368347969611_n 12274454_1110908675600806_1410768748239088484_n 12274369_1110909032267437_6634360306156991962_n 11012909_1110908802267460_7384497224287815516_n 11222890_1110907405600933_7354087327153474017_n

2º Simpósio de Agroecologia da Bahia

II SIMPÓSIO DE AGROECOLOGIA DA BAHIA, tem como o tema NOVOS CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL, que acontecerá nos dias 02 a 04 de dezembro de 2015, na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) no campus Vitória da Conquista, tem como objetivos fomentar a pesquisa, o ensino e a extensão por meio de discussões que contribuam para o desenvolvimento da agroecologia no estado da Bahia, com consequente geração de inovações, trabalho, renda e inclusão social da agricultura familiar, através da consolidação da formação de profissionais e pesquisadores nessa área, comprometidos com o incentivo a atuação empreendedora dos agricultores familiares e à adoção de processos produtivos de base agroecológica.

Mais informações:

http://www.uesb.br/eventos/iisab/

Texto e Imagem: Site da UESB.

Conferências Municipais de ATER

Hoje (24) pela manhã foi realizada, a primeira das sete Conferências Municipais de ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural), em que o CEDASB assessorou de forma direta, uma vez que o mesmo integra a Comissão de Organização Territorial para as Conferências de ATER. A referida conferência aconteceu em Belo Campo BA, na sede do CRAS do município, que além dos agricultores/as participantes, contou com a presença de representações da ‘Bahia Ater’ e o NEDET/UESB (Núcleo de Extensão e Desenvolvimento Territorial).
As discussões e encaminhamentos foram norteados por três eixos fundamentais de debate. O primeiro eixo tratou do Sistema Nacional de ATER, fortalecimento institucional, estruturação, gestão, financiamento e participação social; o segundo abordou a ATER, e as políticas públicas para a Agricultura familiar e reforma Agrária; e o terceiro eixo propôs o debate sobre a formação e a construção do conhecimento na ATER.
Após as reflexões e discussões sobre os eixos transversais (ATER para Juventude Rural, Mulheres Rurais e Povos, e Comunidades Tradicionais), os grupos apresentaram algumas propostas fundamentais, que serão apresentadas na Conferência Territorial de ATER, que acontecerá nos dias 10 e 11 de Dezembro 2015 em Vitória da Conquista BA. Ao final da conferência de Belo Campo, foram escolhidos/as algumas representações que irão participar da Conferência Territorial, dentre as quais representações da Sociedade Civil, Comunidades Tradicionais (Quilombolas) e Poder Público local.
E assim, seguimos nessa caminhada das Conferências Municipais de ATER. Amanhã (25) será realizada a Conferência de Anagé e Caraíbas. Na quinta feira (26) em Mirante e Caetanos, na sexta feira (27) acontecerá a conferência de Bom Jesus da Serra, e dia 1º de Dezembro será a Conferência Municipal de Vitória da Conquista.

Texto: Comunicação CEDASB.

Imagens: Everaldo/CEDASB

018a227e-9d9b-42f8-b89d-c81617723b66 44cd4a94-059e-4037-943b-e7d88d8446ab ab46eb24-0b44-4bb0-b33a-bea5ea20ab96 0dc6c483-7b6b-4631-b957-79e382e9055e 0a386416-a77c-45ca-8178-c187d46bc1f5 0a386416-a77c-45ca-8178-c187d46bc1f5

Quilombo de Cinzentos: Celebração pelo 20 de Novembro

      No dia 20 de Novembro, dia da Consciência Negra, o Quilombo de Cinzentos (município de Planalto-BA), por mais um ano celebrou a data com muita festa, alegria e devoção. Comunidades vindas das diversas regiões, alunos/as do município, representantes da universidade, representações do CEDASB e ISFA se juntaram ao Quilombo para celebrar a data.
O ápice de todo a festa ‘pelo 20 de Novembro’ foi a Celebração da “Missa Afro”, que reuniu elementos e dizeres enraizados, que memoraram costumes, cantorias e danças características do “Povo de Zumbi”. Na oportunidade, ao final da celebração da Missa, o CEDASB entregou e lançou o Boletim Informativo “O Candeeiro”, que nesta edição apresentou a bonita história do Quilombo, contada pelos próprios quilombolas da Comunidade local: “Quilombo de Cinzentos: um Grito de Resistência!”. Título esse, que destaca alguns relatos e importantes momentos da caminhada de 200 anos de história do Quilombo.
Além da Missa, aconteceram apresentações com as crianças, rodas de capoeira, apresentações musicais e de dança, falas dos líderes da comunidade. Que lembraram a importância em “celebrar o dia da Consciência Negra, não como um mero evento folclórico, mas como um grito de liberdade”, afirmou dona Ana Delcí, uma das lideranças do Quilombo.

‘E assim, o Povo de Cinzentos segue sua caminhada na estrada da vida, sempre relembrando suas tradições, celebrando seus costumes e devoções. Fazendo ecoar seu grito de resistência por essas terras sertanejas, protegidos pelos encantos da natureza sob o olhar amoroso de Olorum’ (Fragmento d’O Candeeiro).

Comunicação CEDASB

Inseticidas Naturais- A experiência de Jessi

      É na troca de saberes que o conhecimento se amplia e se aperfeiçoa. Nesse primeiro vídeo do CEDASB, Jessi, agricultora-experimentadora do município de Bom Jesus da Serra -BA, compartilha conosco suas experiências e conhecimentos sobre inseticidas naturais, uma alternativa baseada nos princípios agroecológicos da convivência com o Semiárido e a natureza.

ÁGUA, LIBERDADE E CIDADANIA – Projeto Cisternas CEDASB

      Só quem já acordou nas madrugadas e andou léguas e léguas pra conseguir uma lata d’água, sabe expressar a alegria que é, conquistar uma cisterna de placa 16 mil litros no “pé da casa”.
O Projeto Cisternas/CEDASB no período 2015/2016 em parceria com o governo do Estado (BA) está atuando nos municípios de Barra do Choça (onde 1500 cisternas serão construídas) e Vitória da Conquista (1335 cisternas). O vídeo traz alguns depoimentos que retratam a chegada da Cisterna, e destaca parte do processo de mobilização social que o projeto realizada nas diversas comunidades onde está atuando.

 

 

Semiárido Vivo, nenhum direito a menos!

No momento em que milhares de pessoas do Brasil e de outros países estão reunidas na capital federal discutindo a construção de políticas que garantam a Comida de Verdade no Campo e na Cidade, por ocasião da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, foi lançado o documento “Semiárido Vivo, nenhum direito a menos” assinado pela Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Confederação dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf), Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTR-NE) e Levante Popular da Juventude.

O documento tem como principal foco a continuidade e ampliação das políticas públicas sociais que, nos últimos 12 anos, têm garantindo uma transformação na vida de milhares de pessoas e que estão comprometidas atualmente por conta da crise econômica e política. Entre essas ações, destaca-se o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que sofreu cortes de 65% do orçamento previsto para 2015 e o Programa Cisternas que também sofreu cortes severos este ano. Pra se ter uma ideia, o número de tecnologias de captação de água de chuva construídas até agora é o menor em 12 anos.

A diminuição destas e outras ações de convivência com o Semiárido, associadas a outros fatores como a possibilidade de mais três anos de seca, pode indicar a volta de uma realidade de miséria e fome que, por muitos anos, perdurou no Semiárido. “A paralisação dessas ações compromete os direitos dos mais pobres, entre eles, o direito à segurança alimentar”, alerta o documento.

De acordo com o coordenador da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) e representante da ASA no Consea, Naidison Baptista, a expectativa é que o documento informe aos participantes a situação atual do Semiárido e que a Conferência possa contribuir na construção das políticas de convivência com a região. “A 5ª Conferência é um espaço de debate e construção de políticas e o processo de construção da política se faz na crítica e no elogio das iniciativas existentes”, afirma Naidison.

Como ação concreta, as organizações que assinam a carta defendem um conjunto de medidas distribuída em 4 linhas de ação tais como a intensificação das ações de cisternas de água para consumo humano e para produção, a revitalização do Rio São Francisco, o assentamento imediato de todas as famílias acampadas, a suspensão da PEC 215 – que transfere do Executivo para o Legislativo a definição da demarcação das terras indígenas- – a execução do Programa Camponês construído pela Via Campesina junto ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a execução do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PLANAPO) e efetiva implementação do PLANAPO 2 e a implementação e dinamização dos quintais produtivos, conduzidos pelas mulheres, e na perspectiva da produção de alimentos saudáveis.

Por Gleiceani Nogueira

Fonte: http://www.asabrasil.org.br/noticias?artigo_id=9121

DSCN0835 DSCN0837 DSCN0840 DSCN0841 DSCN0844 DSCN0846 DSCN0850DSCN0833

Sementes do Semiárido: A casa de Sementes que nasceu graças a um Intercâmbio

      Seu Francisco, ou simplesmente seu “Tico” como é mais conhecido em toda região, juntamente com sua família são da comunidade de Bom Jesus de Cima, município de Bom Jesus da serra BA. Nesse vídeo, ele conta sobre a sua experiencia com o armazenamento e zelo com as sementes crioulas. A Casa de Sementes em sua propriedade nasceu graças a um Intercambio em MG, que sua nora Jessí, participou durante a realização do P1+2 em 2012.

“Por um Sertão Justo”: MOC realiza evento de Lançamento de Peças de Comunicação

      Na última segunda feira, (19) o Movimento de Organização Comunitária, MOC, realizou o   evento de Lançamento de suas Peças de Comunicação. O evento aconteceu no CSU em Feira de Santana BA. Na oportunidade lançou oficialmente o novo site institucional, assim como banners, folders e pastas institucionais de uso pedagógico. O evento contou com uma participação em massa de Entidades (ONG’s) parceiras de caminhada e de missão, dentre as quais o CEDASB; assim como representes de organizações que apoiam o MOC na gestão dos diversos projetos sociais, agricultores e agricultoras da região de Feira de Santana, representantes de associações, sindicatos e organizações comunitárias dos diversos territórios onde o MOC atua.
O evento teve início com uma belíssima e animada apresentação cultural do grupo “Dança de Côco” da comunidade de Lagoa Grande, de Retirolândia. Seguindo com a realização de um seminário temático, que pôs em questão a Comunicação verdadeiramente Popular e alternativa ‘por um Sertão Justo’, como importante ferramenta em direção de oposição à forma, do que se denomina de “comunicação”, que se mostra claramente tendenciosa, mercantilizada, corrompida e alienante nos moldes convencionais. Para um dos componentes da mesa temática, professor Deoclécio (UNB), “a autêntica Comunicação Popular e comunitária que queremos, tem por principal objetivo e obrigação, fazer com que o cidadão descubra que ele tem opinião, e que assim feito, pode expressá-la de forma livre”. Para Mary Caldas (Sindicato dos Jornalistas), “a comunicação que construímos, e que estamos a construir deve contribuir diretamente, para que o cidadão do campo e da cidade pense por si próprio, e exerça de fato sua cidadania, em todas as suas dimensões”. Para Moisés, professor da UNEB, “buscar um Sertão Justo, numa perspectiva da autêntica Comunicação, significa prioritariamente, buscar/lutar pela justiça em todas as suas dimensões: econômica, social, educacional, e de acesso aos bens e políticas públicas que os povos do Semiárido têm direito…”.
A equipe colegiada de Coordenação do MOC fez a fala de encerramento do evento, memorando alguns importantes passos nesses 48 anos de caminhada, agradecendo a cada colaborador/a que ajudou direto ou indiretamente contribuiu para cada passo dado, principalmente os que contribuíram para a realização do evento. Tendo em vista, a caminhada rumo aos 50 anos do Movimento, que a cada dia ajuda a construir um Sertão que seja verdadeiramente de todas e todos.

Texto:
Comunicação CEDASB.

CEDASB2 CEDASB1

Sementes do Semiárido – Terêncio Vieira, impressões da IV Festa da Sementes da Paixão

Fazer parte do Projeto Sementes do Semiárido, está sendo muito importante, gratificante e enriquecedor, pois, estou compartilhando experiências com agricultores e agricultoras e reencontrando com sementes que fizeram parte de boa parte da minha vida. Ter  representado o CEDASB na VI Festa das Sementes da Paixão, em Araras – PB, foi o maior acontecimento na minha trajetória de trabalho na instituição.
Essa troca de experiências com agricultores (as), que podemos dizer que são os pioneiros de “Bancos de Sementes” no semiárido, foi uma verdadeira aula com professores(as) e pesquisadores, onde não podemos medir a dimensão dos conhecimentos acumulados nessas famílias para convivência com o semiárido.
Ao chegarmos ao evento foi que começamos a entender a dimensão, e a grandeza do Projeto Sementes no Semiárido, pois, levamos algumas sementes de nossa região para participar da troca de sementes. Foi um momento ímpar, pois, me deparei com uma infinidade de variedades. Tanto comestíveis como para alimentação animal e também espécies nativas, que são de fundamental importância para promovermos um recatingamento.
Outro momento que nos deixou extremamente feliz foi o teste de transgênia das duas variedades de milho (milho estrada de ferro e o asteca), que levei para o evento. No momento do teste não tem como ficar apreensivo, temendo algum resultado que não seja a isenção de qualquer interferência transgênica. Mas quando saiu o resultado, e que é constatado que o milho é puro, sem nenhuma contaminação, o coração dispara ficando impossível de controlar a emoção.
Nesta viagem tivemos a felicidade de trazer inúmeras espécies de milho, feijão, fava e até mesmo a variedade de planta nativa que eu estava há um bom tempo à procura, a Sabiá. Planta de uma importância fundamental na alimentação dos pequenos animais, além de fornecer madeira para construções e lenha para uso das famílias agricultoras.
Tenho certeza que os meus conhecimentos e a minha paixão pelas sementes crioulas aumentaram de tal forma, a qual não consigo medir a dimensão e não tem dinheiro no mundo que pague.
A participação nesse encontro me trouxe grandes motivações, e mais do que nunca, me leva a contribuir da melhor maneira possível na execução desse projeto. Bem como, a disseminação dessas práticas que contribuem em todo esse processo de convivência com nosso Semiárido. Estou muito feliz e me faltam palavras em agradecimento, pela confiança na missão de representar a Instituição (CEDASB), em um evento de tão grandiosidade e importância.

Texto:

Terêncio Vieira – Animador Técnico, Sementes do Semiárido/CEDASB

12107979_1088821431142864_6077784361807976133_n

Terêncio (1º da esq. pra dir) e demais companheiros/as participantes da 4ª Feira das Sementes da Paixão em Arara PB

12096547_1088821177809556_5555851830633617747_n