OOO novembro | 2016 | Cedasb

As Sementes como Resgate da Identidade – Inauguração da Casa de Sementes Crioulas da Comunidade de Água Doce

Quando começamos a descer a serra da Água Doce logo de longe avistamos uma fumaça, era um sinal de que ali ia ter uma festa, lembrávamos que estávamos no mês de Novembro, mês que é intitulado de Novembro Negro, mês da Consciência Negra.

A festa de fato ia acontecer. Os protagonistas…

Era fato ser um local muito longe, um local escondido, um local muito difícil de se chegar, por uma questão estratégica de localidade. Assim são os quilombos que lá nos recantos desse imenso Brasil nasceram com muita luta, resistência e suas formas de celebrar a vida.

Era uma estratégia dos escravizados que fugiam para os recantos, em áreas de difícil acesso para não serem achados pelos os senhores de escravos e os capitães do mato. O Quilombo fica sempre distante e é um lugar que nos remete a luta, a resistência, alegria e convivência…

Ao chegar à comunidade de quilombo de Água Doce, o cenário era poético, um cenário que nos remetia a nossa ancestralidade, a identidade do nosso povo que fugido vieram parar ali. Era um grito que ainda ecoava no ar, um grito que ainda resistia. Um grito que muitas vezes era um misto de alegria e dor.

Existia um olhar de alegria na face envelhecida da senhora, que permanecendo lá no canto encostada a uma parede, parecia rezar no seu silencio observador. SABEDORIA. Uma sabedoria das mulheres, as descobridoras das sementes.

Era uma alegria no canto da batida do pandeiro de seu Nicanor que cantando fez o canto entoar, e não era mais a tristeza do passado, era a alegria de uma liberdade, uma liberdade que hoje é cantada e ouvida.

Vimos em cada batida, o santo, a crença, a cultura, a dança e nós lá no meio, era o Coco, o Samba de Roda, a Ciranda, o Reisado… E de repente a poesia da jovem quilombola Carolina de Jesus invadiu a sala e sua voz declamando era um acalanto suavizando, misturando as batucadas do tambor.

Ela dizia assim:

“Quilombos um conjunto de aldeias onde os escravos iam esconder, Palmares era o mais famoso, homens negros querendo vencer e os brancos tentando destruir um povo que queria crescer”…

Nessa mística de encanto e canto que foi inaugurado mais uma casa de sementes no dia 26 Sábado, a Casa de Sementes Quilombola Pereira, uma realização do projeto Sementes do Semiárido, executado pelo o Cedasb e ASA.

Texto e imagens – Comunicação CEDASB

img_0081 img_0092 img_0095 img_0098 img_0099 img_0103 img_0106 img_0109 img_0112 img_0117 img_0119 img_0139 img_0144 img_0157 img_0158 img_0159 img_0169 img_0171 img_0175 img_0176 img_0178 img_0190 img_0199 img_0201

Encontro sobre a bacia do Rio Pardo – Os (des) caminhos do Rio Pardo e seus afluentes: águas de ontem e de hoje

Este encontro, que acontecerá no dia 30 Novembro e 1º de Dezembro 2016 discutirá os problemas ambientais relacionados à produção, qualidade e sustentabilidade da água consumida nas cidades do sudoeste baiano que dependem do Rio Pardo e seus afluentes.

Clique e confira o vídeo de apresentação

 

Palestra – Agricultura Sintrópica na Caatinga

Já faz parte da caminhada do CEDASB a realização ou participação nos diversos espaços de formação continuada no que se refere à Convivência com o Semiárido. O CETEP-UESB promoveu uma palestra sobre Agricultura Sintrópica na Caatinga para estudantes e pesquisadores, tendo como facilitador o Professor Nelson, que é representante da Petrobras e agricultor experimentador.
Na oportunidade, membros da equipe técnica do CEDASB, juntamente com outros estudantes e pesquisadores da área da agroecologia participaram da palestra sobre Agricultura Sintrópica na Caatinga. E assim, puderam agregar informações afins e ampliar os conhecimentos sobre esses conceitos e experiências trazidas pelo professor Nelson.
CONFIRAM ALGUNS DOS MELHORES MOMENTOS DA PALESTRA…