Matérias

Agricultoras/es assistidas/os pela ATER (SEAD – CEDASB) de comunidades de Anagé e Planalto participaram de Oficinas de Artesanato e Customização

O artesanato é uma das tradições culturais milenares de caráter popular que encanta e embeleza a vida e a caminhada da nossa gente. É arte viva e gente que vive dessa arte. Gera renda, desperta saberes e promove a dignidade, frente a tantos desafios e produções artísticas artificias sem a essência e o jeito popular. A oficina de artesanato e customização é uma atividade que está dentro das ações do planejamento inicial realizado com as comunidades dentro do Projeto de ATER/SEAD. Segundo Eliane Almeida, coordenadora técnica do ATER/SEAD: “o objetivo principal é difundir técnicas contemporâneas para que o público atendido possa aplicar e desenvolver, com o intuito de agregar valor na sua produção, e possibilitar o surgimento de novas ideias de produção artesanal para uso e comercialização viabilizando complementação da renda familiar”. As oficinas de artesanato e customização aconteceram em Março de 2017 e reuniu agricultoras/as de comunidades assistidas pela ATER/CEDASB dos municípios de Anagé e Planalto.

Comunidade Cachoeira

Em Anagé-BA aconteceram duas oficinas de artesanato e customização, uma foi realizada na comunidade de Cachoeira e a outra aconteceu na região de Poço da Vaca. Na oficina realizada em Cachoeira participaram 25 pessoas contando com gente vinda das comunidades vizinhas Tapui e Irapuá. Em Poço da Vaca participaram 20 pessoas contando com a participação de pessoas vindas da comunidade do Caçote, que expressaram um enorme interesse e satisfação com a realização da atividade. Assim como disse dona Fraudita, uma das moradoras da localidade referindo-se aos jovens que participaram da atividade: “essa atividade aqui é boa pra todos nós, principalmente pros jovens, então vocês aproveitem bem desse momento”, afirmou dona Fraudita. Expressando sua satisfação, e ao mesmo tempo refletindo a respeito de uma grande problemática que atinge negativamente às comunidades rurais de forma tão ampla: a falta de estrutura, oportunidade e geração de renda para que a juventude não precise sair do campo.

Comunidade do Castiliano

Em Planalto-BA aconteceram também duas oficinas, uma na comunidade de Castiliano na casa de dona Maria de Fátima envolvendo pessoas da comunidade de Vereda Nova e a outra na comunidade de Poço D’anta na sede da associação local contando com a participação de beneficiários/as vindos da Comunidade do Cinzento. Tanto na comunidade de Castiliano, quanto em Poço D’anta, a atividade foi acolhida e realizada com muito entusiasmo, tanto pelo CEDASB enquanto executor, como pelas famílias beneficiárias participantes da atividade. Foram 35 as pessoas beneficiadas com essa oficina, dentre as quais 33 mulheres e 2 homens.

Interessante registrar que na realização das oficinas, além dos beneficiários/as participaram pessoas que não são atendidas diretamente pela ATER/CEDASB. Revelando um interesse coletivo das comunidades em se apropriar dessa arte do bem viver, onde todos/as saem ganhando, a partir da realização de atividades dessa amplitude. Oportunidade essa, que muitas comunidades já almejavam há tempos, que com a atuação da ATER/CEDASB a partir de sua dimensão de extensão rural proporcionou a realização prática desse importante momento para agricultoras/as destas e outras comunidades dos determinados municípios onde o projeto atuou.

Texto / Imagens – Núcleo de Comunicação do Cedasb e equipe de ATER (Cedasb).

Comunidade: Poço da Vaca/Caçote – Anagé, BA

Comunidade de Cachoeira – Anagé, BA

Comunidades: Castiliano e Poço Danta, Planalto-BA

free vector