OOO junho | 2017 | Cedasb

Projeto Cisternas nas Escolas/CEDASB – etapa 3: Atividades iniciadas com articulação de parceiros e realização de Encontros Comunitários

Articulação com Comissões Municipais (ASA) e poder público

O início do projeto já em sua 3ª etapa, se deu com as articulações entre CEDASB, Comissões Executivas Municipais da ASA e o Poder Público. Serão contemplados nessa etapa do Cisternas nas Escolas os municípios de Anagé, Bom Jesus da Serra, Cândido Sales, Mirante e Vitória da Conquista. A equipe técnica já conseguiu efetivar reuniões em todos os municípios supracitados para constituir e fortalecer parcerias durante a execução das ações nos respectivos municípios.

O Projeto cisternas nas Escolas traz consigo, a partir da implementação da tecnologia social – a cisterna de 52 mil litros, um rico e substancioso processo formativo para a discussão e consolidação da Educação Contextualizada para a Convivência com o Semiárido, resgatando identidades, fortalecendo raízes e aguçando a criticidade. Assim, aproveitamos a oportunidade para agradecer a excelente receptividade por parte dos gestores públicos, especialmente, das Secretarias de Educação e dos diretores e articuladores das escolas do campo de cada município.

Encontros Comunitários 

No dia 07 de Junho de 2017 o CEDASB, através da equipe técnica do Projeto Cisternas nas Escolas/CEDASB realizou os Encontros Comunitários no município de Bom Jesus da Serra. As comunidades de Lagoa do Mel, Jararaca, Água Bela, Queimadas e Segredo são as localidades onde se encontram instaladas as Escolas Polos do campo do município, são elas respectivamente: Escola Municipal Sebastião dos Milagres, Escola Municipal Elizio Meira Amaral, Escola Municipal Euclides Teixeira, Escola Municipal Armezina Oliveira Silva Pinhão, Escola Municipal Libanio Pereira Costa.

Durante os Encontros Comunitários foram elaborados um painel detalhado com os nomes de pessoas da comunidade local que formarão a denominada comissão local, que é a comissão de apoio ao projeto nas referidas localidades. Formada por pais/mães de aluno, direção e lideranças comunitárias. Os Encontros Comunitários são ações do Projeto que tem como objetivo apresentar à comunidade escolar como sucederá as etapas da implementação da tecnologia social, e qual o seu papel nesse processo. Mas, objetivamente, discutir também sobre o que é, para quê e o porquê da importância de se pensar um ensino norteado pelos princípios da Educação Contextualizada para a Convivência com o Semiárido, que, inicialmente, pode ser feita a partir da própria cisterna. Homens, mulheres e crianças envolvidos pela perspectiva de um novo olhar de construir conhecimento.

E avancemos… O projeto só está começando!

Texto: Eliane Almeida (Coord. Técnica)              Imagens:  Equipe Cisternas nas Escolas

 

Encontro Comunitário – Escola da Comunidade de Lagoa do Mel

Encontro Comunitário – Escola da Comunidade de Jararaca

Encontro Comunitário Escola da Comunidade de Água Bela

CEDASB ATER (Bahiater) realiza oficina de planejamento da feira agroecológica da Agricultura familiar de Cordeiros-BA

No início do Mês de Junho 2017 foi realizada na cidade de Cordeiros, a Oficina de Planejamento da Feira Agroecológica da Agricultura Familiar, que será inaugurada no dia 29 de Junho 2017, no mercado municipal na sede do município.  A oficina foi um momento em que os agricultores/as familiares puderam debater e construir coletivamente a feira. A atividade foi uma realização da ATER (Bahiater) do CEDASB em parceria com os agricultores/as, com a Secretaria de Agricultura e Prefeitura de Cordeiros-BA.

 

ATER (Bahiater)/CEDASB – Chamada para a Feira Agroecológica de Cordeiros-BA

O vídeo apresenta algumas imagens da oficina de construção e planejamento da feira agroecológica da agricultura familiar realizada em 01 de Junho em Cordeiros-BA. E faz a chamada para a realização da feira, que acontecerá no dia 29 de Junho no mercado municipal da cidade.
Uma realização da ATER (Bahiater)-CEDASB em parceria com os/as agricultores/as locais, a secretaria de agricultura e prefeitura municipal.

Dona Erací, Dênis e Rayane, a ATER e as abelhas: uma combinação que está dando bons resultados

Dentre as agricultoras que assisto pelo projeto de ATER do Cedasb gostaria de relatar um pouco, da bonita experiência de dona Erací e sua família com a lida das abelhas sem ferrão. Ela é agricultora experimentadora da comunidade de Água Branca no município de Cordeiros-BA. E está se destacando no cultivo da terra e principalmente com a criação de abelhas sem ferrão.

Dona Erací já labutava com alguns pequenos enxames de abelhas, mas como ela própria diz: “a gente já mexia com as abelhas, mas de forma crua e sem saber direito como lidar com esses enxames de forma correta e sem agredir”. E é aqui que entra a ATER do Cedasb, com o apoio e o incentivo para que dona Erací participasse de um curso de melipolinocultura realizado em Vit. da Conquista, uma realização da ATER (Bahiater) do Cedasb. Ela foi, participou e voltou pra sua propriedade muito animada e cheia de novas ideias, a partir das experiências trocadas durante o curso. Hoje ela já tem 13 enxames de abelhas sem ferrão e várias iscas espalhadas por toda sua propriedade, que aprendeu fazer no curso utilizando garrafa pet.

Interessante dizer que Dona Erací quis envolver seus filhos, Rayane e Dênis em todo o processo de lida com as abelhas. Ensinando/repassando todo o conhecimento nato e adquirido durante o curso sobre a lida com as abelhas sem ferrão. Hoje Dênis e Rayane já ajudam na confecção das caixinhas colmeias que servem para arranchar as abelhas da espécie Jataí. Segundo Dênis, a confecção das caixas é um serviço trabalhoso, mas muito prazeroso e gratificante. Ajudam também, no plantio e cultivo de flores que servem para a coleta do néctar usado na produção mel e na fabricação das iscas de captura das abelhas. Todo mundo sabe fazer de tudo um pouco e quem ganha é a natureza, dona Erací e toda sua família.

Com a vivência de toda essa bonita experiência, dona Erací aprendeu a preservar o meio ambiente evitando o desmatamento e as queimadas desnecessárias, preservando a fauna e a flora. Além de gerar renda pra toda a familiar a partir dessa experiência que está dando certo.

Dona Erací e sua família são exemplo de dedicação, coragem e muita força de vontade. Ela expressa e acredita, que essa prática da criação das abelhas e o cultivo da terra é um forte motivo que promove a permanência dos seus filhos no campo, perto dela e sem perder esse ânimo de cultivara terra e labutar com as abelhas. Agroecologia é a vida da terra e das águas, das matas e as abelhas, dos homens, e principalmente de mulheres como Dona Erací!

Texto/Imagens –  Maria DuCarmo/ATER (Bahiater) – CEDASB

Agricultoras assistidas pela ATER (BAHIATER) do CEDASB participam das comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente em Vitória da Conquista-BA

Por ocasião do Dia Mundial do Meio Ambiente, 05 de Junho, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Vitória da Conquista, na última segunda feira promoveu um evento comemorativo para celebrar o dia. Onde o Cedasb em parceria com o Conselho Municipal de Meio Ambiente (COMAM) participou montando uma barraca com produtos agroecológicos cultivados por agricultoras familiares que são assistidas pelo projeto de ATER/CEDASB. O evento foi realizado na Praça Barão do Rio Branco onde as pessoas que passavam pela barraca do CEDASB puderam conhecer um pouco mais sobre o nosso trabalho e a relação deste com o cuidado e preservação do Meio Ambiente.

O evento contou com a participação direta de agricultoras familiares de algumas comunidades do município, que são assistidas pela Assistência Técnica e Extensão Rural da entidade, executada através da parceria com a Bahiater-SDR, dentre as quais, as comunidades de: Serra Grande e Olho D’Água da Serra II, que trouxeram suas produções agroecológicas para serem comercializadas durante o evento. Andu, pinha, biscoito, noni, abóbora, pimenta, maracugina,  tomate cereja, ovos caipira, rapadura, açúcar mascavo foram alguns dos produtos comercializados durante a atividade na Praça. Assim como, a diversidade de hortaliças cultivadas pelo Nupebem (Núcleo de Permacultura do Bem), que também participou do evento com a apresentação e comercialização de sua produção.

Foi um dia inteiro de troca de boas experiências e muitos saberes onde, ao comercializarem sua produção, as agricultoras juntamente com a equipe de ATER, puderam chamar a atenção das pessoas que ali estavam a respeito do entendimento em pensar o meio ambiente de maneira consciente e ampla. Pois pensar sobre isso, significa ir além da preservação dos ecossistemas entendendo que a prática orgânica de produzir alimentos respeitando a diversidade, em que os seres humanos respeitem o ambiente onde estão inseridos. Compreendendo a importância do cultivo sem o uso de qualquer tipo de veneno (agrotóxicos), e de maneira orgânica/agroecológica é também algo grandioso e acaba por preservar o meio ambiente e garantir a vida em todas as suas dimensões.

O espaço oportunizou também, ao CEDASB e às agricultoras presentes conversarem com o público, sobre a importância da agricultura familiar na produção de alimentos limpos e saudáveis. Bem como, no incentivo das pessoas em valorizar e consumir esses alimentos que são produzidos no próprio município.

E assim, a agroecologia vai sendo disseminada através dos agricultores e agricultoras que a promovem e mostram seus resultados na prática. Reconstruindo um meio ambiente onde todos/as possam viver em paz e em equilibro. Celebrar o dia do Meio Ambiente é celebrar a vida em plenitude em harmonia com tudo e todos/as!

Texto – Silmara/ATER e Comunicação CEDASB   Imagens – Equipe de ATER /CEDASB