Matérias

Encontro Territorial do Projeto Cisterna nas Escolas

O que são 52 mil litros de água numa cisterna da escola? Água de boa qualidade, que vai servir para a merenda e também para beber. Mas será que é só isso? Não!

Os 52 mil litros de água numa cisterna da Escola são para garantir o pleno funcionamento do espaço de aprendizagem e para possibilitar um bom debate sobre educação do campo. Educação esta que deve ser contextualizada a fim de garantir aos educandos não somente o conhecimento pragmático, mas também a valorização e ressignificação de sua cultura, seus costumes. Além disso, a conversa sobre educação rural tenciona mexer numa ferida antiga, a grade curricular que, organizada de modo generalizado, nem sempre leva em consideração as intemperanças climáticas de cada região e as tradições locais.

Foi por esses motivos que em 11 de agosto, aconteceu em Vitória da Conquista/ BA, o Encontro Territorial do Projeto Cisternas nas Escolas, organizado pelo CEDASB e que contou com a participação de Olga Gotardo, aluna em Educação do Campo pela UFRB, da banda Remela de Gato e de professores, pedagogos, secretários de educação e demais profissionais ligados à área educacional dos municípios de Vitória da Conquista, Anagé, Belo Campo e Tremedal.

Ariosvaldo, tesoureiro do CEDASB e professor do campo na rede municipal de Anagé falou da importância desses espaços de discussão “é em ambiente como esses que, em conjunto, podemos discutir sobre a melhoria da educação no campo e mais ainda, podemos agir para a melhoria dessa educação. O primeiro passo é pensar no melhor modo de adequar os conteúdos e os dias letivos à realidade de quem mora no zona rural”. Quem também reforçou os argumentos do professor Ariosvaldo foi Olga Gotardo, aluna de Licenciatura em Educação do Campo pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia- UFRB, em Amargosa na Bahia; ela foi categórica ao afirmar que “eu sou uma dos que o êxodo rural não expulsou”. Relembrando sua trajetória até aquele momento, Olga questionou sobre empoderamento dos povos camponeses e o que isso significa em termos políticos, econômicos e sociais. Além disso, fez uma ressalva interessante “Se a gente sai do campo para estudar não é porque viver no campo seja ruim. Na verdade, a maioria das pessoas que vivem na zona rural e saem para estudar tem o objetivo de poder voltar e trazer esses conhecimentos para o benefício da comunidade. Ou seja, se eu escolho ser educadora, posso ser uma educadora em minha comunidade. Se sou médica, também posso clinicar na minha comunidade e assim por diante. É preconceito as pessoas afirmarem que viver no campo só para quem é agricultor. Um filho de agricultores pode ser o que quiser e ainda cuidar da sua terra, sem, contudo, precisar sair dela”. E o início de tudo isso começa na escola, espaço de reflexão.

O Projeto Cisternas nas Escolas que no CEDASB teve sua primeira ação em 2010 atendeu municípios como Vitória da Conquista, Planalto e Caetanos. Na sua segunda fase, em 2015, o projeto em apenas um ano de execução construiu 84 cisternas nas escolas, distribuídas nos municípios de Tremedal, Anagé, Belo Campo, Caetanos e Vitória da Conquista. Somado a isso, o Projeto promoveu capacitações em GRHE para  84 merendeiras e 125 professores do campo. Dado esse avanço, espera-se que, com o contrato de número 041/2016, com previsão para seis meses, que o Projeto Cisterna nas Escolas atue em 44 escolas da zona rural.

Por: Equipe de Comunicação CEDASB.

 

IMG_0112

IMG_0102 IMG_0104

IMG_0135 IMG_0154

 

IMG_0127

IMG_0157 IMG_0166 IMG_0178

IMG_0181 IMG_0186 IMG_0195 IMG_0205 IMG_0212

IMG_0330 IMG_0363 IMG_0365 IMG_0379 IMG_0234 IMG_0246 IMG_0258 IMG_0279 IMG_0289 IMG_0298

IMG_0394

free vector